Serie Mujeres y Cerveza: Hildegarda von Bingen, la Sister Act Cervecera

Se você tivesse a sorte de viajar no tempo e tomar uma cerveja na idade média, por exemplo, acho que não iria gostar muito. Ou pelo menos teria um gosto estranho para você. E você sabe por quê? Para o lúpulo, ingrediente essencial nas cervejas de hoje, que começou a ser incluído regularmente nas receitas a partir do século XVI. Antes, e por milhares de anos, o que foi adicionado Era uma mistura de ervas e especiarias para alterar o sabor, aroma ou teor alcoólico da cerveja. Pode ser mel, canela, açúcar, anis, gengibre, alecrim, cravos ou até raízes.

Mas, novamente foi uma mulher que teve a maravilhosa ideia de adicionar a flor feminina do lúpulo à mistura, por volta de 1100 dC. Acontece que ela manteve a receita em segredo de suas freiras. Porque sim, ela era freira. E no fundo é lógico, porque durante a baixa e alta idade média, era muito raro que alguém soubesse escrever e ler. E ainda mais que tivesse acesso a uma biblioteca, tempo para investigar ou um jardim. E onde tudo isso aconteceu? Nos mosteiros.

Hildegarda von Bingen, la Sister Act Cervecera

A protagonista deste post, nossa Irmã Cervejeira é Hildegard von Bingen (1098-1179) e ela passou toda a sua vida em um mosteiro beneditino alemão. De origem nobre, era a caçula de dez irmãos, e por isso foi entregue à igreja como dízimo. Sua educação foi confiada a outra mulher, a superiora Jutta Spanheim, que a treinou em assuntos como latim, grego, música, botânica e teologia. Aos dezoito anos, ela decide tomar o hábito e é nomeada abadessa aos 38 anos.

A partir de então, iniciou uma grande atividade intelectual e, entre outras coisas, escreveu um tratado sobre os benefícios do lúpulo e outro sobre a cerveja e o uso do lúpulo em sua fabricação. Hildegarda observou que doce bebidas eram muito populares e que o alto consumo desses aumentava os problemas de visão e até a cegueira (provavelmente devido ao diabetes). O amargor da cerveja contrariava o abuso de consumo desse tipo de bebida. Agora sabemos que o lúpulo também tem propriedades antibióticas leves e ajuda a matar alguns dos organismos presentes no mosto da cerveja. Mas não só isso, ela estava procurando uma bebida saudável e nutritiva. Você sabia que durante os períodos de jejum nos conventos a única coisa que se bebia era cerveja? Hildegarda von Bingen aconselhou as freiras sob seu comando a beberem cerveja para “manter as bochechas rosadas e as doenças longe”.

Lupulo

Em Causa et curae, ele faz um apelo a favor da cerveja: "Por sua vez, a cerveja engorda a carne e dá ao homem uma cor saudável para o rosto, graças ao força e boa seiva de seu cereal. Por outro lado, a água enfraquece o homem."

Você já leu ou viu o filme O Nome da Rosa? Imagino assim, uma comunidade de freiras com seu boticário, seu cultivador de lúpulo e a madre abadessa testando as combinações para que a cerveja tivesse aquele ponto exato de amargor e frescor. E tudo isso enquanto a santa (porque Hildegard foi canonizada em 2013) também escrevia dois tratados sobre medicina, música, teologia, filosofia e... ela até explicou o orgasmo feminino para suas freiras ( este é outro tópico, mas caso tenham interesse irei expandir os dados em nosso direct no Instagram no dia 22/03).

Escultura de Hildegarda de Bingen de Karlheinz Oswald.

Em suma, foi graças a essa mulher incrível que o lúpulo (que cresceu selvagem no interior da Baviera) foi identificado como um ingrediente-chave na fabricação de cerveja. E lembre-se, foi só em 1400 que surgiu Holanda, e em 1519 foi condenado como “erva daninha”. Demorou até o século 16 para que ele fosse incluído como ingrediente básico. Santa Hildegarda viu isso claramente antes.Viva Santa Hildegarda!

Autor: Laura García de Lucas

Deixe um comentário

Todos os comentários são moderados antes de serem publicados